quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Tia Preta apronta novamente

Após o conhecimento de que minha mãe havia retirado a mama Tia Preta foi visita-lá no hospital, e numa tentativa de amenizar a situação que o momento trazia ela teceu o seguinte comentário:

- Não se preocupe depois você coloca uma próstata!

Se amenizou eu realmente não sei! Risadas, essas sim foram inevitáveis!

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Família


Aí esta, esta senhora do meio é minha Avó (vulgo Vovó) e estes são alguns dos seus netos, incluindo eu "o bendito fruto entre as mulheres". A família não é lá uma Brastemp, não é a mais perfeita, mas com toda a certeza é a mais feliz!

Brincadeira é coisa séria

Nossa família encara tudo na brincadeira, achamos que os problemas são um modo de evoluir e aprender algo, é por isso que buscamos ver o lado positivo das coisas ou até rir das situações que a vida nos impõe. Bom, somos assim, doa a quem doer! Digamos que somos felizes ao extremo de alegrar velórios, rsrsrsrs, brincadeira!

Prova disto é que minha mãe recebeu a notícia de que estava com câncer de mama, doença que assola muitas famílias, na nossa não foi diferente, foi difícil encarar os fatos e ainda é, mas tudo isso nos traz situações um tanto quanto engraçadas e que gostaria de dividir com vocês, aí vão elas:

Quando minha mãe soube da notícia de que teria que retirar o seio ela disse:

- Justo agora que eu ganhei uma porção de sutiãs novos!

- Vou ter que usar um sutiã parecido com um tapa-olho!

Questionada se teria que fazer radioterapia ela emendou:

- Sim, e já vou aproveitar para fazer jornalismo também!

Ela ainda olhou para mim e comentou:

- E agora como eu vou arranjar um namorado!

È com esta alegria que eu quero vê-la durante os longos anos da minha existência.

sábado, 27 de novembro de 2010

Diálogo

Bom, certa feita em uma reunião familiar na casa de minha Avó, meu Tio Marcio ofertou a minha Tia Sueli um galão de tinta, muito interessada, Tia Sueli perguntou:
-A tinta é para interior? (Questionando se a tinta poderia ser utilizada na parte externa de sua casa)
De forma abrupta Tia Preta mais do que depressa retrucou:
-Não, a tinta é dos EUA. Dã...

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Tia Capeta...outra vez...

Esta uma das histórias mais antigas da Tia Preta de que se tem notícia.Aconteceu no velório do meu avô, sei que parece mórbido e na ocasião era sim. Todas aquelas pessoas prestando seu último Adeus, aquele momento de tristeza profunda, foi quando uma mulher se dirigiu até minha tia dando os pêsames. E ela sem pestanejar disse:
-Não precisava!
O riso foi inevitável e história ficou para ser passada as futuras gerações da família.

domingo, 21 de março de 2010

terça-feira, 16 de março de 2010

Até a República se cansou...

(Monumento ao Barão do Rio Branco, Praça da Alfândega, Poa-RS)

Lindas palavras, gestos não tão lindos assim...

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Primeira vez?

Bom, história engraçadas devem ser de família. Eu que o diga! Já postei aqui pequenos textos sobre minha tia (tia Preta), mas hoje vou relatar uma das minhas, espero que gostem.
Certa feita tivemos que comparecer a uma palestra, coisas referentes a faculdade.
Então saímos em turma da UERGS nos dirigindo a tal palestra (palestra essa na qual nem lembro o assunto, mas não deveria ser tão interessante). Porém obtivemos uma única informação: a de que o local seria num prédio atrás da catedral.
Chegando ao local indicado observamos uma movimentação em uma das salas e decidimos entrar, acreditando ser esse o local. Enquanto eu e o Everton aguardavamos podemos perceber que todos os que adentravam o recinto eram recebidos com beijos, é isso mesmo "BEIJOS".
Ao chegar na porta fomos beijados e uma das mulheres que nos recepcionou perguntou:
-"Primeira vez?" (nem sabem do que eu lembrei, rsrsrs)
Prontamente respondemos:
-"Sim!" (resposta mais sincera e inocente do mundo)
Entramos na sala, haviam inúmeras pessoas, sentamos e percebemos que não tinhamos nenhum conhecido. Me dirigi ao Everton e perguntei:
-"Será que é aqui mesmo?"
Sem resposta me voltei para as mulheres que haviam nos recebidos e perguntei:
-"É aqui a palestra para os alunos da UERGS?"
Para minha surpresa ela me respondeu:
-"Não, aqui é o AE*!"
-"Hum, o que é AE?"
-"Amor exigente!"
Saímos do local e para nossa maior vergonha nossos colegas esperavam ao lado de fora, todos riam incansavelmente. Essa história ficou na memória de muitos e hoje até eu dou risada.
*AE é um grupo de apoio a dependentes químicos